09 novembro 2018

Unhas brancas: 11 formas criativas e elegantes de usar


A gente nunca mais falou de tendências para unhas por aqui, né? Parece que a febre das unhas super elaboradas passou um pouco e o assunto ficou esquecido.
Mas está chegando aí uma moda de nailart que eu estou amando: são as unhas brancas.
Vi a primeira vez nos stories da blogger Camila Coelho e achei o efeito simplesmente ma-ra-vi-lho-so. É chique, elegante, minimalista, com ares de limpeza (que eu considero essencial para unhas) e combina com todo tipo de look.
Informações que você precisa saber:
1.  O tom da tendência não é qualquer branco, é aquele tom "corretivo escolar", um cremoso com cobertura 100%.
2. É importante dizer que você provavelmente vai precisar de uma manicure profissional, porque não é uma pintura fácil de fazer, já que o branco mancha muito e para um efeito chique, é preciso ficar perfeitamente homogêneo.
3. Além do branco total, é possível ser criativa mesclando com outros tipos de nail art.

Fiz uma seleção de onze formas (sempre chique e elegantes) de usar, muitas são interessantes já para o final de ano. Olha só como um branquinho básico pode ser super chique e criativo.




07 novembro 2018

SPFW N46: Verão ao mar


Como eu disse no post passado,  na edição N46 do SPFW - que aconteceu de 21 a 26 de outubro - vi claramente duas principais tendências se formando: uma mais voltada para o inverno (que ficou no post passado) e outra mais para o verão.
Enquanto na Europa se viu muito neon e tons cítricos iluminando as passarelas, no Brasil o nosso verão está com um toque mais chique e com perfume retrô. 
Água de Coco

Água de Coco

João Pimenta

Osklen

Osklen

Osklen

Pat Bo

Pat Bo

Pat Bo

31 outubro 2018

SPFW N46: Oeste Delicado



A São Paulo Fashion Week acabou há poucos dias - aconteceu de 21 a 26 de outubro - e só ontem tive a oportunidade de poder ver todos os desfiles desta edição N46 no portal da FFW.
Para quem não está acompanhando, a principal semana de moda do Brasil não segue mais calendário definido pelas estações, isso porque tem marcas que estão desfilando verão, enquanto outras desfilam inverno, umas mostram suas coleções que estarão nas araras nos próximos dias, enquanto outras desfilam a coleção que chegará às lojas daqui a seis meses... cada grife escolhe como vai proceder.
Esse novo formato gerou um resultado interessante: é possível ver duas tendências se formando claramente dentro das passarelas: uma voltada mais para o inverno, outra mais para o verão. 
Mas isso não quer dizer que não é possível fazer um mix das duas, seja qual for a estação, até porque, no Brasil, nossos climas são diversos, e a gente quer aproveitar um pouquinho de cada, não é mesmo?

Hoje vou falar sobre o que eu vi de tendências mais voltadas para o frio.

O clima é de Velho Oeste, uma pegada cowgirl com muito couro, mas com um diferencial que eu considero maravilhoso: feminilidade à flor da pele.
As peças em estilo faroeste ganham mix de couro com tecidos translúcidos e delicados como a organza e o chiffon de seda, mostrando essa mulher forte e aventureira, mas que não perde a delicadeza do rebolado. É um hi-low muito feliz. Quando o couro aparece sozinho, ganha feminilidade na modelagem que aparece colada ao corpo e acinturada, ou em saias rodadas. 
As cores vão para os tons terra: marrom, cru, dourado, tons de vinho, chegando ao vermelho iluminado. Nos detalhes, as franjas são o destaque da temporada. 

Fotos: Zé Takahashi / Ag. FOTOSITE via FFW
Bob Store

Bob Store

Bob Store

Glória Coelho

Lilly Sarti

Lilly Sarti

Modem

Modem

Patrícia Viera

Patrícia Viera

Patrícia Viera

Reinaldo Lourenço

Reinaldo Lourenço

Reinaldo Lourenço

03 agosto 2018

Mood do Verão 2018/19: tendências para usar já!

Que delícia ver que as tendências que estão chegando são simplesmente a sua cara, não é mesmo? Logo eu que amo esse clima vintage, estou me vendo querendo usar todas as trends que estão chegando com pitadas de design antiguinho. E enquanto uma boa parte do Brasil ainda curte o clima frio, aqui no Ceará a gente continua ( e já está) em clima de verão, prontos para já começar a usar todos os lançamentos das marcas nacionais assim como as das nossas marcas locais. Pra quem não sabe, temos muitos designers diferenciados por aqui além de inúmeras marcas desejo como a Água de Coco, Gisela Franck Design, Estudio Matulão e Iury Costa, que aparecem nesse post.
Fica de olho no que vai chegar para essa estação. 







02 agosto 2018

O que é uma jornada? Vídeo lindo da Louis Vuitton

Esse vídeo é antigo, mas é também tão atual. Na verdade é uma propaganda conceitual com valores de marca da Louis Vuitton, que começou sua própria jornada produzindo malas de viagem e hoje vende sonhos, auto-realização e reconhecimento através das suas bolsas, roupas acessórios e monograma, mas sempre conectando com esses valores relacionados à viagem.
O vídeo em si tem uma mensagem interessante e reflexiva, é daqueles que a gente precisa rever de vez em quando.
Quem sabe, hoje, é um bom dia para você ver...
Espero que goste.

19 julho 2018

O retorno da logomania e o que está por trás da vontade de usar uma marca estampada




Diga-me com que marca andas e eu te direi quem és...
Mais um ciclo da moda se completa, isso significa que mais uma trend de tempos passados volta à tona. Desta vez, é a logomania, tendência que se estabeleceu principalmente no início dos anos 2000 e que faz o seu retorno triunfante sustentado pelas maiores marcas do mundo, como Chanel, Dior, Fendi, Chloe e muitas outras que seguem o mesmo caminho.
Essa mania de usar grandes marcas estampadas nas roupas, bolsas e acessórios, nasceu no final dos anos 80, quando os jovens entraram no mercado de trabalho e tornaram-se os empresários da vez. Mulheres e homens no auge dos seus 30 anos chegavam à cargos executivos disputados e passavam a ter acesso à altos salários.
Nesta época, a imagem de poder era a mais desejada. Usar roupas de marcas renomadas passa a ser símbolo do “cheguei lá”, e bolsas como a famosa Neverfull, da Louis Vuitton, ou as clássicas da Chanel, se transformaram em verdadeiros troféus e podiam facilmente ser reconhecidas por todos, entregando a seu dono o status de “sucesso”.
Mais tarde, já nos anos 2000, esses valores se estenderam e as empresas passaram a se posicionar de diferentes formas, na qual cada uma tinha um significado diferente. Escolher uma marca para estampar o corpo significava uma séria de escolhas e de status e o ideal era ser fiel a uma, ou algumas delas, pois isso demonstrava uma personalidade forte. Mas a verdade é que, usar logomarcas, passavam muito mais pelo plano dos sonhos e desejos, do que pela “real personalidade”.
Hoje a logomania volta com direito a “dança das cadeiras”, você não precisa se prender à uma única “identidade” de marca porque a geração atual entende que desempenhamos diversos papéis e que a mudança faz parte do nosso estilo de vida, o que o sociólogo Bauman chamaria de “modernidade líquida”.
O que não muda é o desejo de usar uma marca para tentar se definir e pegar emprestado os valores de uma empresa para se autopromover. Em tempos de valorização da moda sustentável e retorno às origens como moral à ser seguida, a volta da logomania parece ser um paradoxo fashionista. Qual é a sua opinião sobre essa tendência? Vai usar? Não vai usar? Gosta? Me conta aqui nos comentários.